"A Odontologia é uma profissão que requer, dos que a ela se dedicam, o senso estético do artista, a destreza manual do cirurgião, o conhecimento científico do médico, e a paciência de um monge."

26/09/2009

Ratinho do Castelo Rá-tim-bum escovando os dentes

Revirando o Youtube encontrei esse vídeo...
Bom matar a saudade do Castelo Rá-tim-bum!




Aliás, bons programas como esse estão fazendo falta, né?!

25/09/2009

De onde vem o medo do dentista?

Ainda hoje a imagem que a maioria da população tem sobre a Odontologia ainda está muito ligada à dor, ao sofrimento, a tortura... Ainda temos a fama de “carrascos”.
Mas, porque isso acontece? Será que o nosso paciente tem realmente motivos para isso?

Primeiro temos que considerar o seguinte fato; normalmente a opinião das pessoas a respeito dos dentistas se baseia em experiências anteriores (negativas, na maioria dos casos) e em relatos de terceiros (mídia, amigos, familiares...).
Um outro fator relevante é que a Odontologia mexe com todos os sentidos do paciente (tato, paladar, olfato, audição e visão) e a reação natural a isso é a dor ou a possibilidade de dor.


Hoje sabemos que um indivíduo emocionalmente abalado (com medo ou estressado, por exemplo) tem uma maior sensibilidade à dor se comparados àqueles indivíduos “calmos”.
Outro fato é a região de atuação do dentista, ou seja, a boca. Muitos pacientes se sentem intimidados, constrangidos por terem um “espaço privado” invadido por um estranho.
O paciente também se sente coagido no nosso ambiente de trabalho, pois, pra ele é um lugar extremamente hostil, o que gera muita ansiedade uma vez que, não sabe o que irá acontecer com ele lá dentro.


Ainda existe uma outra barreira; o preço do tratamento. Pois é, nem todos têm condições de arcar com os custos de um tratamento ou tem acesso fácil aos serviços públicos.

Diante de tudo isso, o que nós, profissionais da área podemos fazer para diminuir esse medo?
Temos que ser calmos, pacientes e mostrar interesse pelo problema do paciente.
Passar segurança, mantendo um bom diálogo e explicando tudo que será realizado, ajuda muito a diminuir a ansiedade e consequentemente o medo que o paciente carrega consigo.

24/09/2009

Câncer de Boca

O câncer de boca é um tipo de câncer que pode acometer o lábio e a cavidade oral (mucosa, gengiva, palato duro, língua e assoalho da boca).

Fatores de risco:
Os principais fatores de risco envolvidos com o desenvolvimento do câncer de boca são homens com mais de 40 anos, tabagistas/etilistas e pessoas que se expõem ao sol de forma crônica e sem proteção como, por exemplo, vendedores ambulantes, pescadores, surfistas etc.

Sintomas:
Os principais sintomas são:
-Surgimento de feridas na boca que não cicatrizam;
-Manchas esbranquiçadas ou avermelhadas;
-Dificuldade para falar, mastigar e engolir;
-Emagrecimento acentuado;
-Dor e aumento dos linfonodos;
- Hemorragia ou sangramento incomum;
-Mudança de hábitos fisiológicos intestinais e renais;
-Indigestão persistente;
-Tosse ou rouquidão crônica;
-Coloração alterada da gengiva.

Prevenção:
Manter hábitos de vida saudáveis, tais como manter uma dieta equilibrada, praticar exercícios, evitar o tabaco e o álcool, além de evitar a exposição ao sol sem proteção adequada são medidas que auxiliam na prevenção do câncer.

Tratamento:
O câncer de boca pode ser tratado por meio de cirurgia ou de radioterapia isolados ou associados.

23/09/2009

Estudo americano aponta associação entre obesidade e bactéria encontrada na boca


Agência FAPESP – Um estudo feito no Instituto Forsyth, em Boston, Estados Unidos, com participação brasileira, encontrou forte associação entre a ocorrência de obesidade e a bactéria Selenomonas noxia, encontrada na boca.

A pesquisa, publicada no Journal of Dental Research, foi desenvolvida por Max Goodson com a participação do professor Francisco Carlos Groppo, da Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Para o estudo, foram selecionados 313 pacientes saudáveis do sexo feminino, que apresentavam sobrepeso ou obesidade de nível 1 (circunferência de cintura entre 80 e 88 centímetros). Os resultados, de acordo com Groppo, apontaram um grau elevado da presença do microrganismo em mais de 90% das mulheres.

“A bactéria foi encontrada em quantidade muito superior ao normal nas pessoas obesas, a tal ponto que seria possível identificar um indivíduo obeso simplesmente pela presença de certa concentração dessa bactéria em sua boca”, disse Groppo à Agência FAPESP.

A contribuição de Groppo para o estudo começou durante seu pós-doutorado, realizado em Boston em 2002. Atualmente, o cientista recebe apoio da FAPESP por meio da modalidade Auxílio a Pesquisa – Regular, com o projeto “Efeito da homeopatia e fitoterapia sobre parâmetros morfológicos em alveólo e glândulas salivares de ratos irradiados”.

“Esse é o primeiro estudo que aponta uma bactéria da boca como tendo implicação na obesidade. Sabemos que várias outras doenças têm implicação direta com bactérias da boca”, explicou Groppo, que é pesquisador na área de Farmacologia, Anestesiologia e Terapêutica da FOP.

A bactéria Selenomonas noxia não depende de oxigênio para sobreviver e é frequentemente encontrada em pacientes com periodontite. “Ela não surge do nada. Para se fixar, precisa de condições especiais, que envolvem uma sequência de eventos distintos”, explicou.

Apesar da descoberta, o pesquisador afirma que não é possível ainda tirar conclusões definitivas. “Não dá para saber se é a bactéria que causa a obesidade ou se a patologia é que provoca a alta concentração da bactéria”, disse.

Curiosamente, segundo ele, a Selenomonas noxia é do mesmo grupo de microrganismos que, no passado, foram encontrados no intestino e estavam relacionados com a obesidade. “Além disso, ela está associada também a abortos”, disse.

Continuação da pesquisa

Segundo Groppo, o estudo poderá servir como indicador para caracterizar uma pessoa como obesa ou não. “Observando a concentração dessa bactéria, é possível diagnosticar se determinado indivíduo é obeso, tamanha a precisão na associação”, afirmou.

O estudo permite levantar algumas hipóteses. “Talvez o organismo dos obesos possa gerar nutrientes específicos para essa bactéria, fazendo com que ela se multiplique além do normal. Também é possível que a bactéria produza substâncias químicas na boca que, uma vez absorvidas, poderiam aumentar a sensação de fome”, disse.

O estudo continuará simultaneamente em Boston e em Piracicaba. “O professor Max Goodson vai estudar a evolução das bactérias nas crianças. E eu vou começar a fazer uma série de testes in vitro”, explicou.

Groppo alerta para a necessidade de cuidados com a saúde bucal. “É preciso frisar para a população em geral a necessidade de procurar atendimento odontológico. Esse estudo é mais uma mostra de que a saúde começa pela boca”, disse.

Fonte: Agência FAPESP

22/09/2009

Odontologia entre as profissões mais bem pagas!

Pois é, segundo uma pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas e publicada esse mês na Folha de São Paulo, as áreas mais bem remuneradas do mercado são:
1ª Medicina
Administração
o3ª Engenharia
4ª Economia
5ª Ciências Contábeis
6ª Direito
7ª Agronomia
8ª Computação
9ª Odontologia
10ª Arquitetura


E no caso na nossa querida Odontologia, a pesquisa mostra que as áreas mais rentáveis são Implantodontia, Ortodontia e estética.

Notícia boa né?!

Quem quiser conferir na integra a pequisa é só baixar o Guia das Profissões do Jornal Folha de São Paulo.